Dicas

Proteção à Cabeça
Proteção Facial
Proteção Auditiva
NR10
Proteção Confortável

Notícias

A importância do Equipamento de Proteção Individual - EPI
Evolução dos EPIs - Época de Ouro
Acidente de trabalho: 70 mil Vítimas por ano

Termos de Uso

Termos de Uso
Politica de Privacidade
Troca e Devoluções

Fale Conosco

Atendimento
F.A.Q


Receber Informativos

Lançamentos
Promoções

.

Proteção à Cabeça

Em muitos trabalhos realizados na indústria, a proteção à cabeça é essencial, algo que os profissionais não podem negligenciar. Uma colisão na cabeça pode resultar em sérios problemas físicos e, consequentemente, sociais para o indivíduo podendo até ocasionar a morte dependendo da gravidade da colisão.

Por esta razão, o uso de capacete é um método simples e eficaz para evitar ou minimizar os problemas ocasionados pelo impacto, respingos de produtos químicos e choques elétricos ocorridos na região da cabeça.

Especificar um capacete de segurança, à primeira vista, pode parecer uma tarefa fácil, porém proteger sua cabeça significa proteger sua vida e isto merece muita atenção para decidir realmente qual a melhor solução para a sua proteção.

Pontos relevantes para serem observados durante a especificação de capacetes industriais:

Performance:

Em primeiro lugar, um bom capacete para uso industrial deve cumprir plenamente as exigências das normas. No Brasil, a ABNT NBR 8221 é a norma que especifica os tipos de testes e os limites que devem ser alcançados para serem aprovados. Após comprovação do atendimento na totalidade da norma por meio de testes realizados em laboratório credenciado pelo Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO, é emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego - MTE - o certificado de aprovação do produto, comumente conhecido no mercado como CA.
Tanto o selo do INMETRO quanto o número do CA devem ser gravados de forma indelével no casco do capacete e sua manutenção de atendimento à norma em referência avaliada e validada frequentemente por um organismo de certificação de produto (OCP), através de auditoria.

Durabilidade:

Atender plenamente às especificações da norma é mandatório para a comercialização legal do produto no território nacional, porém a durabilidade está associada às características técnicas do produto que, por sua vez, podem extrapolar as exigências e diferenciar-se dos demais produtos aprovados.
Basicamente, a matéria-prima do capacete é um polímero (plástico) - entre eles, polietileno (PEAD), ABS, policarbonato (PC) -, e sua qualidade, associada à forma de armazenamento, métodos e processos de produção da indústria fabricante do capacete, potencializam a geração de um produto diferenciado.

Conforto:

Um bom capacete deve exceder às questões de durabilidade e performance. É essencial que o usuário sinta-se confortável para utilizá-lo durante todo o período em que for submetido. O formato do casco e o encaixe da suspensão no casco e na cabeça são basicamente os principais fatores que determinarão uma distribuição harmoniosa das cargas, proporcionando melhor balanço e, consequentemente, mais conforto.

Composição do Capacete:

Basicamente, o capacete é composto por dois componentes:

  • Casco;
  • Suspensão.

Casco



O casco é parte externa desenvolvido em polímero, que envolve a cabeça. Ele deve ser rígido, leve e resistente a impactos, perfurações e respingos de agentes químicos. Seu formato deve ser ergonomicamente projetado para ser ao mesmo tempo seguro e confortável para o uso diário.


Suspensão




A suspensão é projetada para alcançar dois objetivos:
1 - Acomodar o casco devidamente sobre a cabeça;
2 - Ter a função de amortecedor e, em conjunto com o casco, absorver a energia do impacto se algo atingir o capacete.




Solução = Casco + Suspensão


O princípio básico de funcionamento da suspensão é parecido com o princípio de suspensão de um carro que suporta a carroceria, afastando-a da roda. A suspensão dentro do capacete apóia o casco isolando-o da cabeça para proporcionar a folga necessária entre o topo da cabeça e o casco. Sendo assim, caso haja algum impacto no casco, a suspensão distende-se para absorver a energia do impacto dentro da área de folga, minimizando o impacto sobre a cabeça do usuário.


Sequência de Absorção de Impacto

  1. Quando há impacto, o casco cede levemente, amortecendo a força da colisão e dando a proteção parcial para sua cabeça.
  2. Depois, as tiras da suspensão comprimem-se ao redor da cabeça.
  3. Finalmente, as tiras do casco esticam-se para absorver a energia dentro da área da folga.
  4. Tudo isto ocorre em cerca de 0,4s.

Classificações dos Capacetes Industriais:

Os capacetes são classificados pela norma ABNT NBR 8221, de acordo com o seu formato e capacidade de resistência a choques elétricos.

Os capacetes submetidos e aprovados ao ensaio de rigidez dielétrica e tensão elétrica aplicada são classificados como classe B e oferecem proteção contra choques elétricos.

Já os modelos que, por alguma razão, não atendem às especificações dos testes de tensão elétrica aplicada e rigidez dielétrica não são destinados a trabalhos com energia elétrica e são classificados como classe A.

Exija sempre o CA do capacete para saber exatamente qual é o Tipo e Classe do produto.

 Fonte: Soluções Integradas - Revisão 00/2012 - Impressão 10/2012




Prosek - Equipamentos de Segurança - dicas - RSS  Envie  Prosek - Equipamentos de Segurança Indique o Site